Moto Explorer

May 23, 2011 - Serra do Rio do Rastro

May 23, 2011 -  ?> | 13 comments | Viagem

Serra do Rio do Rastro, Santa Catarina.A Garupa:

O Renato e eu ficamos tão empolgados com o nosso último passeio de moto pela Serra da Graciosa que resolvemos conhecer a famosa Estrada da Serra do Rio do Rastro na Serra Catarinense.

Saímos de Curitiba de manhã em direção a Lages (Santa Catarina) debaixo de um céu cinzento que parecia dizer “fiquem em casa!”. Mas a teimosia e a vontade de fazer uma viagem longa de moto foi tanta que fomos assim mesmo, contrariando a previsão do tempo.

Depois de muita chuva na BR116, finalmente começamos a subir a serra e a partir daí foi só alegria. Céu azul e até um calorzinho gostoso, combinação perfeita para uma viagem de moto.

Passamos a noite em Lages e no dia seguinte pela manhã seguimos para a tão esperada Serra do Rio do Rastro, passando por São Joaquim e várias outras pequenas cidades catarinenses.

As belíssimas paisagens do alto da serra (1.500m de altitude) e o friozinho na garupa da moto completaram o que faltava para deixar a viagem perfeita. Separei algumas fotos do trajeto até a serra, mas ao vivo é ainda muito mais bonito.

Mais quando tudo já parecia perfeito eis que a paisagem superou completamente qualquer expectativa, tamanha é a beleza da Serra do Rio do Rastro vista do mirante mais alto.

Pena que no dia tinha muita névoa e isso atrapalhou bastante as fotos. Mesmo assim, a vista do lugar é simplesmente magnífica.

Confira o vídeo do passeio.

Sem dúvida, é um passeio imperdível!

O piloto:

Conheci a famosa serra do Rio do Rastro!

Saímos de Curitiba na quinta-feira, dia 21/04, bem tarde, pois esta acompanhado o radar meteorológico do Simepar, e mostrava uma tempestade sobre parte do trajeto. Quando decidimos sair já era por volta das 10:40. E pegamos um rabinho da chuva, entre Quitandinha e Rio Negro, na BR-116. Logo na saída de Curitiba encontramos um comboio de motociclistas indo para a Lapa. Um deles se aproximou e perguntou se não queríamos nos unir ao passeio deles. Gente boa, o engraçado é que de moto, só fica sozinho na estrada quem quer.

Paramos em Mafra para fazer um lanche e continuamos, agora sob um belíssimo céu azul até Lages. Não tinha ainda passado pela BR-116 de dia e fiquei espantando pela beleza de lugares que vão se sucedendo. A serra do Espigão é muito bonita, como quase todo o percurso.

Dei uma parada em Ponte Alta, no SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário), e fiquei batendo papo com um pessoal que estava indo para Tubarão, ou seja, iriam descer a serra aquela tarde mesmo. Mais uma parada em Santa Cecília, agora para abastecer. E, finalmente, Lages, onde ficamos no hotel Le Canard.

Sexta-feira de manhã, fomos até o centro fotografar a Igreja Matriz, muito bonita por sinal, e logo pegamos a estrada. E quanta moto se dirigindo para a serra! Em um posto, ainda em Lages, haviam pelo menos umas 15 motos. Na estrada encontramos mais algumas e vários pelotões. Em alguns até andamos juntos!

Logo mais, na parada chamada Mirante dos Pinheiros, encostou uma V-Strom branca, de São Paulo, e já fizemos amizade. O Cássio e sua esposa iriam descer a serra, dormir em Florianópolis e no domingo voltar a SP. A partir deste ponto fomos juntos e nas paradas conversando um bocado.

Engraçado este povo de moto: todos são amigos!

Chegamos a serra e pegamos um pouco de neblina, subindo a encosta, o que não dava uma visão muito clara do lugar, mas mesmo assim é de tirar o fôlego. Que lugar lindo! Vale a pena visitar uma, duas, várias vezes.

Lá em cima encontramos de tudo um pouco: ciclistas, turistas de com seus carros e muitos motociclistas. Até parece um lugar de romaria. Mototuristas de tudo quanto é lugar e grupos locais, aproveitando o feriadão. Logo após a nossa parada, chegou um grupo de algum Moto Clube, não vi qual era, com alguns triciclos e outras motos. Deste grupo tirei uma foto muito engraçada: o triciclo puxava uma carreta e em cima do engate do reboque o sujeito instalou uma cadeira e colocou um manequim, destes de loja, com toda a indumentária de um motociclista. E, de longe, parecia que era uma pessoa! Veja:

Na descida o tempo abriu e a paisagem se revelou! Valeu todos os quilômetros rodados até ali e os que faríamos ao final do dia. Seguimos até Tubarão para pegar a BR-101 e fomos entre pista simples e duplicadas até Palhoça, onde pudemos nadar mais rápido. Nos despedimos na entrada de Florianópolis e segui, com minha esposa, até Curitiba. Peguei a BR-376 à noite, porém estava vazia, sem neblina, e foi tranquilo. Ainda mais com o excelente farol da V-strom. 21:00 estávamos em casa, com a bunda chata, com dor nas costas, mas com um baita sorriso no rosto.

Boa companhia, belas paisagens e uma moto excelente para estrada. Quer mais?

Quero. Outra viagem destas e, logo!

[slide]

Share

Deixe o seu comentário

13 comentários para este artigo.

Deixe um comentário

*